Guerra dos portos: ficção ou realidade?

Já em sua origem, a Resolução nº 13 criava uma condição peculiar ao instituir, para as atividades de industrialização, o denominado “Conteúdo de Importação”. O conceito nada mais é do que a relação percentual entre os insumos importados e o valor de saída interestadual da mercadoria industrializada. Com isso, entre seus possíveis efeitos colaterais, produtos de baixa qualidade fabricados em países que notoriamente não se afiguram “economias de mercado”, revendidos no Brasil com margens elevadas, poderiam ser excluídos das normas da Resolução por um mero artifício de “maquiagem” industrial. Um produto importado poderia ser “nacionalizado” ao fazer, por exemplo, sua embalagem para consumo no Brasil – algo que obviamente não agrega valor substantivo, não demanda grandes investimentos e não gera empregos. Ou seja, melhor para quem promove ou defende a guerra e pior para a indústria nacional, que permanece desprotegida e violentada – uma verdadeira frustração.

Por outro lado, a Resolução 13 estabeleceu que o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) “poderá baixar normas para fins de definição dos critérios e procedimentos a serem observados no processo de Certificação de Conteúdo de Importação (CCI)”. Engana-se quem entende que se trata de uma mera faculdade atribuída àquele órgão colegiado. Mais: ilude-se quem acredita que a Resolução é autoaplicável e estará em pleno vigor a partir de 1º de janeiro de 2013, tenha ou não o Confaz “baixado” as tais normas.

A Guerra dos Portos é, ao menos sob o ponto de vista econômico, um despautério

Na prática, a aplicação da resolução depende integralmente da regulamentação atribuída ao Confaz, pois, sem ela, será materialmente impossível o cumprimento das regras. Por exemplo, quem definirá, para fins de cálculo do tal “conteúdo de importação”, se as importações serão consideradas com ou sem os tributos incidentes na operação? Como será calculado o valor das saídas interestaduais, com ou sem os tributos incidentes? Quem saberá se sua apuração será a cada operação, ou por período maior, respeitando a sazonalidade que pode existir na formação dos estoques da empresa? Enfim, qual é a autoridade competente para a “certificação de conteúdo de importação” e quais os procedimentos necessários para sua obtenção?

Se não bastasse, restam ainda dúvidas sobre o tratamento adotado em relação aos insumos importados dos países integrantes do Mercosul, seja na condição de membros ou de associados que adotem o Regime de Origem. Neste caso, os insumos serão considerados nacionais? Qual autoridade “baixará” essa regra?

As incertezas continuam, mas o importante é saber se o Confaz está trabalhando essas normas e, principalmente, se as empresas brasileiras que promovem efetivamente investimentos serão ouvidas. Estamos em meados de agosto. Daqui até o fim do ano o tempo é curto. Será suficiente para que as empresas ajustem seus sistemas informatizados para apurar o tal “Conteúdo”, a fim de prestar as informações necessárias às autoridades fiscais?

Sem dúvida, a “guerra dos portos” é, ao menos sob o ponto de vista econômico, um despautério, especialmente quando se trata de atividade comercial. Sem uma solução rápida e efetiva, a tendência é que ela se amplie, pois mais Estados tendem a “entrar na guerra” quando surge o risco de perder investimentos novos ou mesmo contribuintes antigos.

O fato é que a situação trazida pela Resolução 13, além de não resolver os reais problemas do ICMS, ainda traz o agravante da insegurança jurídica, pois não se sabe como suas disposições serão interpretadas pelas autoridades a partir do próximo ano. Em tempos de incertezas econômicas, em que a economia brasileira tem apresentado desempenho satisfatório, mas ainda carece de estímulos, inclusive para investimentos, não devemos brincar com a sorte. Há que se respeitar o empresariado que é, em sua maioria, correto e competente. Se não puder ajudá-lo, logo não o atrapalhe.

Ou então teremos que assumir que a Resolução 13 será mais uma legislação que entrará para o gênero ficção na Justiça brasileira.

Ricardo Pinheiro é consultor tributário e ex-subsecretário da Receita Federal e da Secretaria de Fazenda do Estado do RJ

Он, "Сонник открывать дверь ключом"верно, боялся, что воспоминания о событиях прошлой ночи взволнуют меня.

А в "Скачать приложения для планшетов"Этой видал на витрине книжного на Арбате, почему сейчас "потребительский кредит стерлитамак"и узнал.

А то выстрелите в себя, посоветовал "Скачать ic"белый охотник.

Это означало, что от сильного толчка он может выпасть из своего кресла "Звонки телефонов скачать"и чего доброго повалиться на "Малиновый звон песня скачать"нее.

Запасы белужьей икры, к счастью, уцелели, но зато несколько пар темных очков от "Эрагон брисингр книга скачать"лучших дизайнеров и все прочее имущество "Игровые автоматы скачать лягушки"товарища Омерты стоимостью в пятнадцать тысяч долларов, хранившееся в пяти "Бесплатные темы для мобильного телефона скачать"принадлежавших ему поместьях, пропало.

То ли еще будет, "Стругацкие скачать бесплатно книги"предупредила она с озорной улыбкой, схватила Римо за руку и повела его за скалы вдоль узкой полоски пляжа.

Из-под широкой "Скачать учебник химии 9 класс новошинский"полы виднелось короткое "Книжки для электронных книг"охотничье ружье, лежащее поперек седла.

Так же "учет процентов по кредиту"недолго радовался "Лесные сказки книга"он, избавившись от беспокойства "Скачать программы звука"из-за пленницы.

Открыть, да и дать разбойникам "Песни алина скачать"унести все, "Sims making magic скачать"что только есть в "Книга таинств зачарованных купить"доме!

Каждая готова броситься ему "Минусовка детские песни скачать"на шею ради сверкающего брильянта.

Прошло еще "Скачать oplayer hd"десять гнетущих минут.

На подносе красовался и стакан виски.

Deixe uma resposta